Rua Caio Mario

12.11.08

copacabana

alguns lugares pertencem a tempos
específicos e repousam
numa data como certos becos
de copacabana que moram eternamente
em mil novecentos e noventa e três
e de onde se pode ligar de orelhões
com fichas e comprar revistinhas
do cascão por cinco mil cruzeiros.

7 comentários:

Luiz Coelho disse...

interessante como vc resgata temas modernistas com uma dicção extremamente jovem!

Abração lek!

Luiz Coelho disse...

"o tempo" é um tema modernista, mas não exclusivamente, ou to viajando?!

Rodrigo M. Freire disse...

que gostoso pensar assim.

Alice Sant´Anna disse...

que saudade do cascão em cruzeiros!

Major Rubens Vaz disse...

porra
play nem sabia que
tu tinha blog,
e muito menos que
tu escrevia poemas,
e menos ainda que
tu mandava tão bem.

e esse foi o meu poema que constrói pontes.

Abraços rapá, ve se lembra da old school

Daniel Belmonte disse...

Só vi seus comentário em meu blog agora.
EU juro que ir de billosta...
ahahahah

ps:não ouvi a vaca não, mas dei uma respota educada
aahahahahaha

e eu gosto das suas poesias!

menta disse...

desencaixa tempo e espaço.

gosto disso!