Rua Caio Mario

16.3.09

de volta à Sofia

Sigo Sofia. Reparo na forma das suas pernas, no formato da sua bunda, ergo meu nariz para o ar e tento captar algum resquício do seu cheiro pela rua dos Oitis. Ela olha para trás e me surpreende com o nariz em riste. Ainda assustado, digo: Sofia? e ela: Oi? e eu: Que? e ela: Sofia? e eu: É. e ela: Silvia. e eu: Ah, desculpa, achei que fosse outra pessoa. E ela foi embora, até quem sabe nunca mais, eu pensei. Mas pelo menos eu tinha o nome de Sofia como refém: Sílvia.

4 comentários:

Alice Sant´Anna disse...

tá que tá danada essa série.

quero mais!

olivia disse...

AAHhh no que eu puder te ajudar nesse plano futuro, vou amar! Vou seguir seu blog. :)

Manu Cantuária disse...

já leu fragmentos de um discurso amoroso, grê, do roland barthes?

nessa série, tão séria, você tá escrevendo bem parecido (só falta a análise semiótica, haha)

beijobeijo

Aline Fanju disse...

vc é um mocinho muito do bom!primeira vez q venho aqui...