Rua Caio Mario

1.2.07

mas era como se não fosse

Eu estava em casa, mas era como se não fosse a minha casa, era como se a minha casa fosse indiana ou paquistanesa, com abóbadas laranjas, mas era minha casa, aqui na Gávea, com minha mãe e minhas irmãs, e eu acordava minha mãe, mas que não era bem minha mãe, quer dizer, na verdade era uma mistura dela com a minha tia, e a gente ia para as paineiras, que na verdade ficavam no jardim aqui de casa, mas eram as paineiras mesmo, e não um jardim que parecia as paineiras, eram as próprias paineiras só que aqui em casa, e lá estava acontecendo uma grande festa, e já era de noite, embora eu não estranhasse que tivesse chegado a noite de repente, pois em um sonho tudo é muito natural, de repente era noite, sem que houvesse qualquer transição, simplesmente era noite e todos bebiam, porque era festa, e tinha quadros nas paredes, sim tinha paredes, mas eram as paineiras mesmo, tenho certeza, pois num sonho as coisas têm a liberdade de ser e não ser, ao mesmo tempo e sem qualquer necessidade de explicação.

2 comentários:

Claro, Clara. disse...

Ahahahah
Eh verdade!!
Beijos!

Rodrigo Arruda disse...

Gostei de peito cheio! Sabe quando você enche o peito,olha pro texto e diz: Porra!...então...foi assim mesmo.