Rua Caio Mario

14.11.06

Êxtase

(para João Cabral de Melo Neto, que jamais foi a rave alguma)

essas artérias salpicando feito
balas garoto dissolvendo éter
sobre teia de braços, sensações
desenfreadas entretendo-se entre
tendas, galos tecendo uma manhã
sob o som do sol e o céu a pino.

7 comentários:

Catharina disse...

Extremamente sonora!

Beijos mil!

Claro, Clara. disse...

Gosto do ritmo
Bem rave, creio eu!

?? disse...

Clara falou exatamente o que eu pensei. O ritmo traz totalmente a sensação do momento que vc tá descrevendo... muito bom!!!

Beijocas

Ficas disse...

me deu calor. gostei
e no mais, tudo bem?
um abraço.

Alice disse...

que bacana o seu brógue!
adorei o cabral que nunca foi a rave nenhuma. e o entrentendo-se entre tendas também.
vou visitar sempre!
beijos

Catharina disse...

Dá uma olhada no meu blog e repare na mudança.

Beijos, amor.

Luiz Coelho disse...

Estava fuçando suas coisas mais velhas e vi neste poema algumas sequencias de aliterações bem bacanas, como a alice já assinalou, bacaninha!.